Fotos e Histórias

Arquivo

  • 2016 (1)
  • 2015 (4)
  • 2014 (8)
  • 2013 (12)
  • 2012 (22)
  • 2011 (35)
  • 2010 (10)
  • 2009 (1)

muito mais do que um nome…

E como o prometido é devido, e como tínhamos ficado de contar melhor a história do nome num post próprio, aqui vai então a odisseia.

A nossa intenção não foi diferente de todos os que tentam encontrar o nome ideal para o seu negócio. Todos querem um nome simples, que fique no ouvido, que seja fácil de pronunciar, e que simplesmente só de o ouvir, toda a gente compreenda claramente todas as ideias e conceitos que queremos transmitir e que estiveram na sua construção.

No inicio a tarefa não parecia nada complicada. Pesquisámos um pouco sobre os principios de escolher o nome certo, descobrimos alguns sites interessantes e com boa informação, uns com dicas e regras, e outros com pequenos testes práticos para testar o nome escolhido. Com esta informação toda deitámos mãos à obra, criámos listas de conceitos que queríamos transmitir, listas de palavras que relacionadas com agricultura, produtos hortícolas, biologia, comunidades e coisas que tais, e no final ficámos com listas intermináveis de palavras soltas, e não estávamos mais perto de encontrar um nome que no dissesse alguma coisa. tentámos de tudo: juntar palavras aos pares, colar palavras, tentar resumir conceitos só numa palavra e nada parecia estar a funcionar – alguns pareciam promissores mas não conseguiam agradar às duas cabeças pensantes. A certa altura e já um pouco estafados da tarefa que se tinha revelado mais complicada do que pensávamos, resolvemos parar. Já tínhamos palavras e nomes suficientes e o escolhido teria que sair daquelas listas, porque nenhum de nós conseguia pensar em mais nada (até pedimos aos amigos para darem sugestões). Acabámos por resolver a questão da seguinte maneira: cada um de nós escolheu os dez nomes que mais gostava, ficámos com os que coincidissem e riscámos os outros, e assim ficámos com cinco nomes para pensar, debater e escolher.

como é que se escolhe um nome entre cinco? bem pergunta-se às pessoas que nos rodeiam! e para perceber melhor como é que entendiam os diferentes nomes que tínhamos à escolha, criámos um pequeno questionário. com os cinco nomes em mente, pedimos às pessoas que respondessem às seguintes questões:

– qual dos nomes despertou imediatamente a atenção?

– qual o nome que menos associas à agricultura bio?

– qual dos nomes desperta maior empatia e confiança?

– qual dos nomes transmite mais seriedade?

– se visitasses um mercado, para qual das bancas te dirigias primeiro, só escolhendo pelo nome?

– qual o teu favorito?

A maioria das respostas reduziu-nos a escolha a dois nomes e depois, de um momento para o outro a escolha tornou-se óbvia: CASAL HORTELÃO! Somos nós, de uma ponta à outra – somos um casal, vamos cuidar de uma horta com toda a dedicação e profissionalismo, é um nome simpático, próximo das pessoas e com o qual facilmente nos identificarão. Além disso é um nome forte, distintivo e que transmite confiança. E somos nós! já tinha mencionado?… Claro que uma coisa leva à outra. Com o nome em mente já foi possível começar a idealizar a nossa imagem, a nossa marca, a forma como vamos querer chegar às pessoas e divulgar o nosso trabalho e os nossos produtos.

Muito trabalho, estudo e experiências (por parte de um de nós…) depois, temos uma marca em vias de ser registada e um site em construção, mas a caminho, e onde poderão desde já inserir o vosso e-mail para receberem uma notificação assim que estiver disponível online (www.casal-hortelao.pt).

www.casal-hortelao.pt

Em relação ao logotipo, ainda considerámos pedir a alguém da área do design gráfico que nos ajudasse a desenhá-lo, mas os valores pedidos, ainda que justos, mostraram-se proibitivos para o nosso orçamento inicial. Como já sabíamos o que queríamos, acabámos por idealizá-lo e desenhá-lo, e ficámos muito satisfeitos com o resultado (é o que está no site no canto inferior esquerdo).

Esperamos que as pessoas se identifiquem e nos identifiquem com o nome que escolhemos, e que deu tanto trabalho, mas que achamos que nos assenta que nem uma luva.